As pessoas cometem erros: faz parte da vida. Mas, erros no set de filmagem não são só frustrantes como podem também fazer com que você perca gravações importantes, clientes e até a reputação com quem pode contratar o seu produto.

Se você quer evitar cometer esse tipo de erro ao invés de aprender do pior jeito, vale a pena dar uma olhada nesse vídeo do Peter McKinnon. Nele, o filmmaker/photographer explica quatro erros que já passou em sua carreira de 15 anos na área audiovisual e como ele aprendeu com esses erros a ser melhor em captação de imagens. É só conferir no link abaixo (legendas em inglês disponíveis):

 

 

Ainda que as dicas do Peter McKinnon seja mais voltadas para o mundo da fotografia, qualquer filmmaker independentemente da experiência pode usar para produzir seus vídeos. Vamos dar uma olhada nelas:

Não utilizar os histogramas da câmera

Muitos filmmakers que começaram no ramo agora usam o LCD da própria câmera ou ainda os olhos para corrigir a exposição da imagem, mas isso pode ser um erro dos grandes. Telas e monitores são famosos por não representar a exposição de uma imagem como ela é de verdade ou que cores estão desequilibradas. É por isso que é importante a aprender a ler um histograma, assim como outros suportes que são muito úteis, e assim ter uma noção maior de como a sua imagem vai ficar.

Resultado de imagem para image histogram

Não pensar no que aparece no seu take

Tem muito filmmaker que, não se sabe se por inexperiência ou preguiça, não confere a imagem e acaba não tirando de cena objetos dos mais variados que atrapalham a gravação antes dela começar. Às vezes isso significa simplesmente tirar elementos que não são atrativos naquele contexto, ou ainda pode significar que você vai ter que recompor a cena inteira de maneira que ela seja melhor em termos do que é visível ao seu público — em qualquer um dos casos, trata-se de um esforcinho que pode ser feito para ter imagens mais bonitas, com significado e dinâmicas que não se perdem na distração de objetos que não deveriam aparecer na cena.

 Não usar um estabilizador de câmera

Peter McKinnon no vídeo fala especificamente sobre tripés e por mais que eles sejam algo de extrema importância dentro do set, o filmmaker deve estar pronto para aprender a utilizar diferentes tipos de estabilizadores de câmera justamente para poder ter a imagem que quer. Sliders, jibs, dollies, drones e gimbals vão ajudar você a captar diferentes tipos de movimento de câmera que, claro, vão ajudar você a contar histórias com maio dinâmica e que engajam seu público, e que não são somente bonitas e com uma fluidez boa, mas também cheias de significado e conteúdo emocional que esse mesmo público pode experimentar.

Não ser cuidadoso

Esse é o tipo de erro que você vai cometer em algum momento da sua carreira — pelo menos uma vez. Ser cuidadoso é algo que vai desde conferir as configurações da sua câmera até ensaiar a movimentação com a equipe técnica para saber se tudo está certo para aquele take — e isso serve não só pra ter sucesso na gravação, mas para poder fazer as coisas de maneira mais profissional. Não tem nada pior do que um take importante arruinado por conta de um erro seu — e que podia ter sido evitado —, então cheque duas, três, quatro vezes as configurações da sua câmera, a lista de takes e gravações, o tempo de bateria que tem e ver se a luz está correta antes de apertar o gravar.

Que tipo de erro acontecia com você? E os que ainda acontecem? Tem alguma dica? Conta pra gente nos comentários.

 

Compartilhe:

Comentários